CONTEÚDO PATROCINADO

Numa análise recente às principais cidades mundiais, a Ambr Eyewear definiu Lisboa como a terceira cidade mais inovadora do mundo, logo atrás de Paris e Barcelona.

Nesta estão incluídas áreas como o índice global de paz, a qualidade média de vida, ou outras como a disponibilidade de emprego em media ou tecnologia. Com um olho no crescente rumo do trabalho remoto, a existência de espaços de co-working é também um fator preponderante.

Esta perspetiva visa avaliar as diversas cidades com olhos postos no futuro abstém-se de fatores meramente económicos e antes coloca o foco na formação e oferta cultural. Se estes domínios merecerem atenção dos decisores políticos e financeiros, Portugal poderá ter a oportunidade única de descolar economicamente.

As Cidades Mais Inovadoras

A revolução tecnológica atual impacta áreas tão distintas como a indústria, os transportes ou as telecomunicações. Com muitas áreas profissionais a serem extintas e outras criadas de raiz, o digital assume um papel de inegável relevo.

O “boom” turístico que colocou Lisboa no mapa não poderia ter vindo em melhor momento. Atraídos pelas suas inúmeras qualidades, alguns dos principais nomes da tecnologia decidiram aliar o melhor de dois mundos: viver numa cidade de beleza ímpar e desenvolver aqui os seus projetos.

Com efeito, estes argumentos acabam por fortalecer a posição do mercado imobiliário de Lisboa muito para além das limitações do turismo, apelando assim a profissionais altamente qualificados e às suas famílias.

Um Claro Sinal Para os Decisores

Num momento em que discutimos planos de ação para as próximas décadas, é por demais relevante verificar e valorizar o que nos trouxe a este lugar cimeiro. De igual forma, as áreas em que a pontuação é mais modesta devem ser alvo de diligências mais assertivas.

Acreditar que a economia dos próximos 10 ou 20 anos será de todo semelhante à das últimas décadas é mera fantasia. Com um foco cada vez mais notório na tecnologia, telecomunicações e acesso remoto a serviços, apostar num modelo exausto seria idêntico a desenvolver uma locomotiva a carvão na atualidade.

Em pontos fulcrais como o custo e disponibilidade de acesso à internet, existe ainda um ligeiro atraso em relação aos lugares cimeiros. Por outro lado, a disponibilidade de universidades em Lisboa suplanta largamente Paris e Barcelona.

O Que Dita o Futuro

Tudo dependerá da capacidade do país em reinventar-se e adotar um pensamento o mais progressista possível.

É importante fazer chegar uma internet mais acessível e rápida às áreas do interior. À medida que o trabalho remoto assume um papel preponderante e os profissionais podem escolher viver onde desejarem, serão as áreas com melhor cobertura tecnológica que terão a vantagem.

Continuar a olhar para a tecnologia apenas como um negócio e não como uma base essencial de inovação resultará invariavelmente numa perda de lugares importantes em rankings como o que aqui consta.

Este artigo é um conteúdo patrocinado, sendo a sua autoria da inteira responsabilidade da entidade em questão.