O festival Azores Burning Summer, realizado a 30 e 31 de agosto na ilha de São Miguel (Açores), está entre os vencedores da 8.ª edição do Iberian Festival Awards (Prémios dos Festivais Ibéricos), cuja cerimónia aconteceu na cidade espanhola de Granada.

O eco festival açoriano, que tem a Smart Cities como parceiro media, foi distinguido com o prémio nacional e ibérico da categoria “Melhor Contributo para a Sustentabilidade”, galardão que recebe pela segunda vez. Este ano, também estava nomeado em mais seis categorias: Melhor Festival de Média Dimensão, Melhor Promoção Turística, Melhor Programa Cultural, Melhor Receção e Hospitalidade, Melhor Recinto de Espetáculos e Melhor Contributo para a Igualdade.

O júri destes prémios ibéricos volta, assim, a reconhecer a preocupação do Azores Burning Summer com a sustentabilidade, evento que se apresenta como “um festival de acesso equilibrado, com reduzido impacto ambiental, que valoriza a qualidade da experiência por parte do público e a sua relação com a natureza envolvente”.

Entre as medidas ecológicas implementadas no festival, destacam-se as metas “Zero Desperdício”, “Zero Beatas” e “Car Sharing”, bem como a introdução de um shuttle elétrico gratuito e a criação do programa socioambiental HABITAT, desenvolvido pelo Observatório do Mar dos Açores.

Para Filipe Tavares, fundador e diretor do Azores Burning Summer, este prémio no Iberian Festival Awards mostra que se está a cumprir a missão do festival, “traduzida no despertar da consciência ecológica coletiva”. “Com esta distinção internacional, o festival reforça o seu contributo para o posicionamento do Porto Formoso, da Ribeira Grande e da Região Autónoma dos Açores enquanto destinos promotores de eventos de qualidade e sustentáveis”, acrescenta o também presidente da ARTAC – Associação Regional para a Promoção e Desenvolvimento do Turismo, Ambiente, Cultura e Saúde, a organizadora do evento.

A cerimónia de entrega do Iberian Festival Awards, realizada na passada sexta-feira, consagrou ainda outros festivais portugueses, como o Summer Opening (Funchal), que recebeu o prémio Excelência; o Med (Loulé), vencedor na categoria de Promoção Turística; ou o Neopop (Viana do Castelo), distinguido com o galardão de Melhor Atuação ao Vivo de Eletrónica.

Um cantinho de Cabo Verde nos Açores

No ano em que celebra uma década de existência, o Azores Burning Summer preparou um cartaz de múltiplos ritmos, divididos pelos dois dias de evento. A primeira noite (30 de agosto) é inteiramente dedicada a Cabo Verde, tendo como principal atração a artista Mayra Andrade, que se estreia nos Açores com o projeto “reEncanto”, acompanhada pelo compatriota Djodje Almeida na guitarra acústica.

Já no segundo dia (31 de agosto), destaca-se a presença de alguns dos artistas mais marcantes das edições anteriores. Entre eles estão o multi-instrumentista Luís Clara Gomes, conhecido pelo projeto Moullinex, que promete regressar ao anfiteatro natural da praia dos Moinhos com vários de músicos convidados.

Os ingressos para o festival podem ser adquiridos através do site do evento ou na plataforma See tickets. O bilhete diário custa 20€ (compra entre 1 de junho e 29 de agosto) ou 25€ (se adquirido no próprio dia), enquanto o preço do bilhete geral (dois dias) varia entre os 25€ e os 40€, consoante a data de compra

 

Fotografia de destaque: © Azores Burning Summer