No dia 28 de Setembro vai ter lugar, na Alfândega do Porto, a primeira maratona de programação com equipas exclusivamente de mulheres do ecossistema de start-ups nacional. Organizada pela comunidade Portuguese Women in Tech, o evento, que durará oito horas, vai premiar a solução vencedora com um prémio no valor de 1500 euros.

Apoiado pela Convocatória Aberta do ScaleUp Porto - iniciativa que promove o ecossistema de start-ups na cidade do Porto -, o evento tem a expectativa de reunir até 70 participantes numa maratona de programação - também conhecida por hackathon - que pretende resultar na construção de soluções para os problemas causados pelas alterações climáticas.

Serão, ao todo, oito horas de trabalho “intenso” na Alfândega do Porto, com a participação de equipas constituídas por mulheres “profissionais e jovens estudantes”, sob organização da Portuguese Women in Tech, comunidade de mulheres ligadas ao ambiente de start-ups portuguesas.

Dos participantes, é esperado que criem soluções resolver problemas causados pelas alterações climáticas nos campos da economica circular, mobilidade, sistemas alimentares, gestão de desperdícios e temperaturas extremas. Cada equipa deverá escolher um destes temas e, com a ajuda de especialistas presentes no evento, desenvolver soluções.

O Portuguese Women in Tech Hackathon dará a oportunidade a alunas do ensino básico e secundário de integrarem as equipas em competição. A equipa vencedora receberá um prémio no valor de 1500 euros, que “deve ser utilizado para implementar a solução desenvolvida”, pode ler-se em comunicado da Portuguese Women in Tech. Todas as participantes terão, ainda, a oportunidade de participar num bootcamp, promovido pela Hack For Good Gulbenkian, a realizar no dia 19 de Outubro, no Porto Innovation Hub.

Este evento conta com o apoio da câmara municipal do Porto e da Fundação Calouste Gulbenkian, entre outros.