Lagoa quer promover a inovação tecnológica e uma política de cidade mais inovadora, próxima dos cidadãos e relevante para o desenvolvimento local. O município assinou, nesse sentido, um protocolo de cooperação com a NOS, para poder tornar-se na "primeira smart city" da região do Algarve.

Prevista está a criação de uma plataforma global de smart cities, tendo como base a utilização recíproca das competências técnicas, tecnológicas e humanas da NOS e da câmara municipal de Lagoa. O protocolo assinado pelo presidente da autarquia lagoense, Francisco Martins, e pelo administrador do grupo de comunicações, Manuel Ramalho Eanes, determina a partilha de informação e conhecimento, assim como a realização de iniciativas conjuntas e a divulgação de soluções específicas na área de smart cities.

“A articulação entre empresas e autarquias é cada vez mais importante para desenvolver novas plataformas e processos que promovam a qualidade de vida dos cidadãos e o seu relacionamento com as autarquias”, conta o administrador da NOS.

Com esta parceria, o município de Lagoa pretende dar um importante passo para se destacar na região do Algarve enquanto cidade inteligente, fazendo uso de soluções tecnologicamente inovadoras para melhorar a mobilidade, a acessibilidade, a eficiência e a proximidade. O trabalho a desenvolver no âmbito do protocolo deverá focar-se, por exemplo, na modernização administrativa e nas melhorias ao nível da gestão e monitorização do sector energético e do sistema de abastecimento de água.

Para o presidente do município algarvio, este foi um passo importante e “um sério desafio que Lagoa aceita”, orientado para a “melhoria sustentável da qualidade de vida dos cidadãos”. O autarca acredita que a parceria vai ajudar a cumprir “os pilares definidos no plano estratégico que se delineou para o futuro de Lagoa”, realçando ainda o “contexto informativo” que as soluções para cidades inteligentes proporcionam e que possibilita “uma melhor gestão dos fundos financeiros alocados aos orçamentos anuais, na concretização de projectos de desenvolvimento e renovação infra-estrutural”.