A cidade de Amarante foi escolhida pela multinacional de consultoria e tecnologia Indra para a instalação de um centro tecnológico da Minsait, sua subsidiária. O novo Business Delivery Center vai dedicar-se ao desenvolvimento de soluções end-to-end e vai permitir, numa primeira fase, a contratação de 30 trabalhadores, número que em 2022 poderá chegar aos 100.

Foi assinado, na semana passada, um acordo de parceria entre a câmara municipal de Amarante e a Indra, prevendo a instalação, no município, de um centro tecnológico da Minsait. A subsidiária da Indra, que se dedica, entre outros, à prestação de serviços de consultoria tecnológica e ao desenvolvimento de aplicações digitais, deverá inaugurar o centro “nos próximos meses”, segundo noticiou o município de Amarante.

No Business Delivery Center da Minsait, vão ser desenvolvidas “soluções end-to-end”, isto é, a título de exemplo, soluções para aumentar a eficiência em determinados processos, destinadas a clientes empresariais e sem a necessidade de envolvimento de mais entidades. Vicente Huertas, administrador da Indra Portugal, revelou que, na primeira fase de funcionamento do centro tecnológico, serão contratados 30 trabalhadores, abrindo caminho para a contratação de “pelo menos uma centena” até 2022.

Para a escolha do município de Amarante para a instalação do novo centro tecnológico terá contribuído o “trabalho de apoio” da InvestAmarante - a estrutura municipal para a captação de investimento e apoio ao tecido empresarial local -, mas também o facto de a cidade pertencer ao distrito do Porto, encontrando-se “próxima de universidades e centros de investigação”. Para o presidente da câmara municipal de Amarante, José Luís Gaspar Jorge, a instalação no município do Business Delivery Center da Minsait é “uma enorme oportunidade para atrair e fixar muitos dos jovens de Amarante e da região”.

A concretização deste investimento teve a colaboração da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), do Instituto Empresarial do Tâmega (IET), do Instituto Politécnico do Porto (IPP) e da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).