Por: Município de Águeda

Mais do que uma cidade inteligente, Águeda assume-se como “uma comunidade participativa que testa soluções e estratégias inovadoras”.

Iniciativas como o Pacto de Autarcas para a Energia e Clima, da União Europeia, enquadram bem a importância de se agir localmente, de forma a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e o dióxido de carbono (CO2) em particular. É inegável o impacte das cidades no planeta. Estudos indicam que estas são responsáveis pelo consumo de 78% da energia, e pela produção de mais de 60% do total das emissões de CO2. Não obstante a dimensão do território, os limites administrativos, ou outros fatores socioculturais e ou geopolíticos, os efeitos das alterações climáticas sentem-se cada vez mais, com impactes diretos (e indiretos) sobre a qualidade de vida da população, sendo importante aumentar a resiliência do território e das comunidades em particular.

Neste seguimento, o Município de Águeda encontra-se a promover o projeto Laboratório Vivo para a Descarbonização (LVpD) Águeda Sm@rt City Lab, cofinanciado pelo Fundo Ambiental, e pioneiro na Região Centro. Este visa fomentar a descarbonização da cidade, integrando um conjunto de soluções (tecnológicas e não tecnológicas) nos domínios da mobilidade, energia, edifícios, economia circular e ambiente, contribuindo para uma mudança de comportamentos e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e das comunidades.

A cidade de Águeda transforma-se num laboratório vivo (living lab), traduzido num ambiente aberto experimental de inovação - o Águeda Sm@rt City Lab -, onde a autarquia, os cidadãos, as empresas e as escolas colaboram no desenvolvimento, implementação, validação e teste de novas tecnologias e serviços, que vão ao encontro das necessidades do dia-a-dia e da realidade local! Procurando “romper” com as soluções inteligentes “standard” e padronizadas, desenvolvidas sem pensar no território a que se destinam, este projeto procura de forma multidisciplinar envolver todos os agentes no desenvolvimento de ferramentas e recursos tecnológicos ajustados à comunidade-alvo, adaptando-se a solução em teste tantas vezes quantas necessário.

O desafio foi ainda lançado aos mais novos: uma comunidade escolar ativa e interventiva que, per si, já promove o desenvolvimento de projetos e ações de sustentabilidade. Até ao mês de maio apresentam-se ideias de projetos para descarbonizar a cidade. As melhores ideias, selecionadas pela comunidade local e seriadas por um júri, serão anunciadas no dia 5 de junho, dia Mundial do Ambiente.

Refere Jorge Almeida, presidente da Câmara Municipal: “existe atualmente a consciência da responsabilidade de cada um e da importância de agir para uma melhor qualidade de vida para todos! O efeito comunidade sente-se em projetos como este que começam numa área delimitada da cidade, mas que rapidamente se replicam para outros locais da região e mesmo para outras cidades”.

O Projeto

O laboratório localiza-se no centro da cidade, numa zona com cerca de 47, 1 hectares, com 1950 residentes e 600 famílias. Esta área apresenta ainda uma elevada concentração de comércio, serviços/equipamentos e espaços de lazer e encontro de toda a comunidade aguedense. Assumindo como principal objetivo a descarbonização da cidade, o Águeda Sm@rt City Lab preconiza um conjunto de soluções (tecnológicas e não tecnológicas) nos domínios da mobilidade, energia, edifícios, economia circular e ambiente.

Na área da mobilidade pretende-se a instalação de um sistema inteligente de gestão do estacionamento, a disponibilização de uma solução integrada de mobilidade elétrica para partilha de veículos (carsharing) e a implementação de um shuttle urbano elétrico de ligação entre a cota alta e a cota baixa da cidade. Ainda neste âmbito, pretende-se, em conjunto com as escolas, promover iniciativas de mobilidade sustentável e de desincentivo da utilização do transporte individual.

Na área da energia e edifícios, destaca-se a aposta do Município na instalação de postos de carregamento de veículos elétricos, sendo um deles abastecido pela energia gerada através de um sistema de autoconsumo solar fotovoltaico. Também será instalado mobiliário urbano inteligente, nomeadamente bancos com portas USB para carregamento de dispositivos móveis e integração com os sistemas de wifi da cidade. Ainda neste âmbito, será implementado um sistema inteligente de gestão de iluminação pública e de análise de fluxos e instalado um pavimento gerador de energia cinética através dos passos dos peões e passagens de bicicletas. Paralelamente, será desenvolvido um estudo piloto para avaliação e otimização do uso eficiente da energia no setor residencial.

Por último, na área da economia circular e ambiente pretende-se testar um sistema de gestão de resíduos diferenciados que permita aumentar a reciclagem e otimizar as recolhas, um sistema de gestão de rega inteligente que permita acionar a rega apenas quando necessário assim como a implementação de outras medidas de promoção da qualidade do ar, entre as quais, a instalação de redutores de emissões em todos os veículos de transporte de passageiros da frota municipal.

A comunidade e a participação

Transversal a todas as áreas temáticas, será implementado um espaço de interpretação e dinamização do Laboratório, aberto à comunidade, no qual os aguedenses poderão conhecer as tecnologias em teste no seu território e ter informação sobre as formas de participação nas atividades dinamizadas neste contexto. Será também desenvolvida uma APP para registo de comportamentos/desafios à comunidade assim como uma plataforma que irá centralizar toda a informação proveniente dos vários sistemas inteligentes instalados na área do Laboratório.

Edson Santos, vice-presidente do Município, com o pelouro do Ambiente e Sustentabilidade, refere que “o Águeda Sm@rt City Lab é a génese de uma cidade/comunidade menos poluente, mais inovadora, sustentável e resiliente e com melhor qualidade de vida para os seus cidadãos”. Ciente de que muito mais há a fazer para uma cidade e comunidade mais “inteligente” e com menos carbono, desafia ainda centros de investigação e empresas a procurarem Águeda, e aqui testarem as suas soluções, em ambiente real, e ao serviço da população.

 

Foto: © Patrick Ferreira

O texto acima é da responsabilidade da entidade em questão.

Águeda consolida de forma sustentável o seu papel como protagonista na região centro graças a indicadores que contribuem para a qualidade de vida de quem aqui vive ou tenciona viver. Servida de boas acessibilidades, capacitada com infra-estruturas culturais e desportivas modernas, e com um parque escolar renovado para a formação de gerações, Águeda dispõe ainda de um pólo universitário de excelência, pelo que é uma cidade onde dá gosto viver, trabalhar e divertir-se.

A vitalidade das coletividades de solidariedade social, culturais e desportivas com os seus inúmeros eventos e dinâmicas interassociativas é outras das vertentes que destacam Águeda no panorama regional e nacional.