A ADAPTT Surge Planning Support Tool é uma ferramenta que tira partido dos dados relativos à pandemia de covid-19 para prever os recursos necessários à luta contra o novo coronavírus. A utilização da ferramenta open source, criada pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) e pela tecnológica Glintt, está a ser promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e está já em testes em vários países.

A ferramenta foi apresentada no passado dia 8, pela Organização Mundial de Saúde, parceira no desenvolvimento da solução, mas fora já disponibilizada ao ministério da Saúde português a 30 de Março. A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) inclui, assim, a ADAPTT na sua lista de ferramentas de planeamento de surtos epidémicos e as entidades portuguesas responsáveis pelo seu desenvolvimento decidiram “libertar a ferramenta em open source”.

Através da introdução dos dados epidemiológicos de determinado país ou região, a ADAPTT apresenta graficamente as necessidades de recursos face à crise global de saúde pública, auxiliando especialistas e autoridades de saúde no planeamento da resposta e na distribuição dos recursos disponíveis. Perante os dados introduzidos, a solução portuguesa responde com a previsão do número de camas necessário, diferenciando os tipos de camas consoante a gravidade da infecção: “total, moderado, grave e crítico” - esta última tipologia requerendo a utilização de ventilador ou de outras terapias intensivas.

Adicionalmente, a ferramenta apresenta as datas previstas para a escassez de cada tipologia de camas e determina, considerando a probabilidade de infecção dos profissionais de saúde, os recursos humanos necessários, segmentando “diferentes especialidades e competências”, tais como médicos, enfermeiros e técnicos auxiliares de saúde, explica a Glint em comunicado.

A empresa tecnológica revela ainda que a ferramenta está a ser testada por vários Estados-membros da OMS desde a o início de Abril, encontrando-se já traduzida para quatro línguas - português, inglês, espanhol e russo.

Destinada a ser utilizada por especialistas em planeamento de cuidados de saúde e por decisores políticos, a ferramenta permite “variar os cenários de mitigação” e adapta-se a “diferentes taxas de ataque”. A APAH e a Glintt anunciaram que vão continuar a melhorar a solução desenvolvida e revelam que uma das próximas funcionalidades será a previsão de equipamentos de protecção individual ou de reagentes necessários.