A Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente (AEPSA) assinou, no final do mês de Setembro, uma declaração no sentido de aumentar a reciclagem de plástico para a sua posterior transformação em novos produtos. Até 2025, a Aliança para a Economia Circular do Plástico (Circular Plastics Alliance) tem como objectivo estimular os seus associados a reciclarem e reutilizarem 10 milhões de toneladas de plástico por ano.

A AEPSA, que reúne 45 empresas portuguesas do sector do ambiente, assinou a declaração da Aliança para a Economia Circular do Plástico (CPA). A declaração, promovida pela Comissão Europeia (CE), visa alcançar níveis superiores de reciclagem e reutilização de plásticos através de compromissos voluntários da indústria do sector ambiental. Até 2025, o objectivo comum dos signatários da declaração passa pela reciclagem e reutilização de 10 milhões de toneladas de plástico por ano, quando, em 2016, este número ascendia, apenas, a menos de 4 milhões de toneladas, segundo números da CE.

A declaração da CPA foi apresentada e adoptada, em Bruxelas, no passado dia 20 de Setembro, contando já com a assinatura de mais de 100 empresas, autoridades públicas e organizações empresariais - como é o caso da portuguesa AEPSA.

A CPA assenta a sua intervenção em cinco pontos base: a recolha e triagem de resíduos plásticos, o desenho de produtos para a reciclagem, a integração de plástico reciclado em produtos, a investigação, desenvolvimento e investimento e a monitorização do plástico reciclado comercializado na União Europeia (UE), lê-se em comunicado da Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente.

Empresas como a Coca Cola, Danone, L’Oréal ou a Associação Europeia de Fornecedores Automóveis (CLEPA) fazem parte do lote de mais de 100 signatários da recém-criada declaração. A Aliança para a Economia Circular do Plástico continua a aceitar novos signatários, sendo igualmente possível actualizar o compromisso de cada entidade.

Criada em 1994, a AEPSA é uma associação empresarial que representa os interesses de empresas privadas do sector do ambiente, com o objectivo de o dinamizar.