O município das Caldas da Rainha conta, desde segunda-feira, com duas novas viaturas para reforçar a frota de recolha de resíduos e do serviço de saneamento da cidade. O investimento, de “mais de meio milhão de euros”, vai ter continuidade em 2020, estando prevista a aquisição de mais uma viatura.

A cidade das Caldas da Rainha, no distrito de Leiria, dispõe agora de mais dois veículos para a higiene urbana: um para a recolha de resíduos sólidos urbanos e outro destinado ao serviço municipal de água e saneamento (SMAS). O investimento de “mais de meio milhão de euros”, da responsabilidade do SMAS, permitiu a aquisição de um veículo “hidroaspirador”, comummente designado por limpa fossas, e de um veículo de recolha de resíduos sólidos. Os serviços municipais de água e saneamento do município estão, desde o início de Outubro, responsáveis pela limpeza e higiene urbana da cidade.

A frota de recolha de resíduos do município passa, assim, a contar com nove veículos - número que, segundo comunicado da câmara municipal das Caldas da Rainha (CMCR), deverá crescer já no próximo ano, estando “prevista” a aquisição de mais um veículo para 2020.

A entrega das viaturas decorreu esta segunda-feira, numa cerimónia em frente à câmara municipal e que contou com a presença do presidente da autarquia, Tinta Ferreira.

Após a transferência de competências, que responsabiliza os SMAS do município pela limpeza e higiene urbana nas Caldas da Rainha, a autarquia anunciou que “passará a ser cobrada na factura da água uma taxa para a recolha” de resíduos sólidos urbanos. A cobrança da taxa de recolha de resíduos representa, para o presidente da autarquia, “uma oportunidade para melhorar a qualidade do serviço público”, pelo que estão previstos investimentos para a “aquisição de mais viaturas, colocação de mais contentores e aquisição de equipamentos de limpeza e varredura”.

O autarca anunciou, ainda, a preparação do projecto de ampliação da estação de tratamento de águas residuais (ETAR), no valor de três milhões de euros. Esta obra “permitirá ter capacidade para tratar os esgotos nos próximos 20 anos”, sendo esperada a sua conclusão para 2022.