2016-01-29

Novas soluções Ericsson para smart homes

A Ericsson apresentou, recentemente, três soluções tecnológicas para o mercado das casas inteligentes. Destinadas especificamente aos prestadores de serviços de comunicação e empresas de utilities, as novas ferramentas vêm reforçar a ambição da empresa sueca neste sector.

 

As novas propostas da marca visam uma maior eficiência, análise e agilização das ligações Internet of Things. Trata-se do Smart Metering as a Service (Medição Inteligente como Serviço), do User & IoT Data Analytics (Analítica de Dados do Utilizador e da Internet of Things) e do Networks Software 17A. Este último estará disponível comercialmente no último trimestre de 2016, enquanto as outras duas soluções entram no mercado já no segundo trimestre deste ano.

 

Segundo a empresa, este novo reforço vai apoiar as utilities na resposta “aos requisitos e aos serviços no mercado da Internet das Coisas em grande expansão”, reforçando “a posição única da Ericsson com ofertas ponta-a-ponta”. A maior eficiência nos serviços Internet of Things (IoT) torna-se cada vez mais indispensável, até porque, de acordo com o mais recente Ericsson Mobility Report, espera-se que 28 mil milhões de equipamentos estejam conectados até 2021.

 

O que se pode, então, esperar das novas soluções? O Smart Metering as a Service baseia-se na experiência da empresa na área de medição inteligente, traduzida em mais de 42 milhões de contadores inteligentes em todo o mundo. A ferramenta “permite o outsourcing de processos de negócio ponta-a-ponta”, com um time-to-market reduzido e uma poupança de custos significativa. Para os consumidores finais, há também vantagens: “a medição inteligente e uma rede conectada inteligente permite serviços mais fiáveis, uma facturação mais precisa e a capacidade de controlar a despesa – graças à disponibilização atempada de dados referentes ao consumo”, explica a Ericsson, em comunicado.

 

Já o User & IoT Data Analytics afirma-se como um motor de analítica em tempo real, embutido na base de dados de subscritores. Além da informação interna, é ainda possível incluir dados de fontes externas e aplicações de IoT transversais a várias indústrias. Na óptica da empresa, “os operadores podem melhorar a eficiência operacional interna e expandir o negócio junto dos consumidores e de indústrias”, além da capacidade de expandir “os seus papéis no ecossistema de IoT para deixarem de ser simples prestadores de conectividade e conseguirem alcançar um novo patamar na cadeia de valor”.

 

Por fim, o Networks Software 17A for Massive IoT materializa as actualizações Ericsson ao software para acelerar a adopção da IoT. A solução suporta milhões de ligações de dispositivos IoT, implementando a categoria mais recente de equipamentos para conexões LTE, Narrowband- IoT (NB-IoT), à infra-estrutura de rede existente. Sublinhe-se que a NB-IoT é adequada a aplicações IoT, como a medição ou a monitorização através de sensores, e tem uma capacidade de escala flexível para suportar milhões de ligações em cada célula.

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017-06-06
20 ideias chegam à final do Big Smart Cities
A edição deste ano da competição de empreendedorismo Big Smart Cities é a mais participada de sempre, com 238...
2017-04-11
Alunos da U. Coimbra criam dispositivo para prever cheias
Adoptou o nome do rio da cidade onde nasceu, Rio Mondego, e vai servir-se de cinco sensores instalados ao longo do...
2017-02-24
Águeda organiza debate sobre serviços públicos municipais na cloud
Como levar os serviços públicos dos municípios para a cloud? Será este o tema do evento organizado pela câmara...
2017-02-10
SHCity junta património cultural e inteligência urbana
O centro histórico da cidade de Ávila, em Espanha, vai ficar mais inteligente  graças à instalação de uma...
VER TODAS