2016-04-28

Sharing cities: make over de Londres

Patrícia Silva

Sharing Cities é o nome do projecto farol que, até 2020, vai transformar a cidade de Lisboa. Mas a iniciativa não vai apenas mexer com a capital portuguesa, Londres e Milão fazem também parte deste "lote". Para já, saiba o que vai acontecer em terras de Sua Majestade.

 

Aquecer habitações, utilizando a água do rio Tamisa, testar bicicletas eléctricas e áreas de estacionamento inteligente são só alguns dos projectos inovadores que terão o bairro de Greenwich como tubo de ensaio. Sob o comando da GLA, Londres vai avançar com reabilitação de 357 propriedades residenciais e de cinco não residenciais, recorrendo a fontes de energia de baixo carbono, à monitorização digital e a soluções público-privadas para a poupança de energia – tudo isto como parte de um programa mais abrangente já em curso, o RE:FIT. Antecipa-se, desta forma, poupanças anuais na ordem das 607 toneladas de CO2, de 130 mil libras na factura de energia e de 2,6m KWh no consumo de energia.


Ainda dentro do domínio da energia, a iluminação exterior também sofrerá o que os britânicos chamam de make over [reforma]: serão instalados vários sensores inteligentes interoperáveis em 400 postes de iluminação de Greenwich, de forma a tornar possível uma recolha e análise de dados dinâmica e em tempo real; a partilha de informação; o envolvimento dos cidadãos e uma analítica preditiva, nas áreas de monitorização ambiental, estacionamento inteligente, carregamento de veículos eléctricos e de acesso a Wi-Fi. O resultado? Poupanças de 30% ao nível da utilização de energia e de aproximadamente 16 milhões de libras, num período de 25 anos.


Em Londres, a mobilidade será outro dos sectores visado, através da implementação de um sistema piloto de car sharing, financiado pelo governo e pela indústria, munido de 28 veículos eléctricos, oito deles autónomos. Este sistema, por sua vez, estará integrado, através da instalação de 28 sensores para veículos smart, numa outra rede de mobilidade partilhada público-privada. Espera-se com isto uma redução do uso do carro privado, evitando-se, anualmente, percorrer 720 mil quilómetros e 92 toneladas de CO2.

 

Paralelamente, será também criado um novo serviço de bicicletas eléctricas para partilha, com quatro estações, interligado com o sistema de reservas e análise de fluxos de movimento de bicicletas dos sistemas de aluguer já existentes; bem como integrador do carregamento de bicicletas eléctricas com os pontos de carregamento de carros eléctricos. A ideia é trabalhar com a autoridade Transport for London (TfL) na exploração e construção de um modelo que possa ser testado nos sistemas de transporte de Londres ao nível de toda a cidade. Com isto, a capital do Reino Unido potenciará uma redução de 20% do uso automóvel, menos 810 mil quilómetros percorridos e 135 toneladas de CO2 evitadas.


Quem residir ou visitar Greenwich poderá também beneficiar de 300 espaços de parqueamento inteligente, isto porque os sensores embutidos nos postes de iluminação permitirão, através de uma aplicação móvel, fomentar a interacção com o condutor, encurtando o tempo de procura por um lugar e, ao mesmo tempo, monitorizar emissões NOx (redução de até 15% de poluidores do ar) e fazer a gestão de veículos poluidores em áreas com elevados níveis de NOx.


Em consonância com os objectivos do Sharing Cities, será desenvolvida uma arquitectura de referência comum e aberta, assim como uma plataforma para a partilha de dados urbanos que permitirão ao gestores da cidade tomar decisões mais sólidas, com base em dados, relativas a uma melhor gestão e desenvolvimento de espaços, tornando os serviços locais mais eficientes e responsivos às necessidades dos residentes, empresas e negócios locais e visitantes. Tendo em conta o leque de acções vocacionadas para a energia, Londres irá ainda desenvolver uma plataforma para a gestão energética e de mercado, de forma a optimizar a utilização de energia e reduzir facturas e emissões.


Para levar este projecto a bom porto, dez entidades vão unir esforços, sendo elas o bairro de Greenwich, GLA, TfL, Imperial College, KiwiPower, UrbanDNA, Concirrus, Mastodon C, Siemens UK e Future Cities Catapult.

 

Fique a saber, em primeira mão, todos os detalhes do projecto Sharing Cities para Lisboa durante a conferência ZOOM Smart Cities 2016, que terá lugar nos dias 18 e 19 de Maio em Lisboa.

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017-10-17
Habitação, habitação, habitação
Nas recentes eleições autárquicas, a habitação tornou-se num tema dominante na agenda política e – nas maiores...
2017-10-04
Alfa-AMA: Combater as alterações climáticas num bairro esmagado pelo turismo
No bairro de Alfama, é hoje difícil escapar à febre do turismo, mas duas investigadoras portuguesas estão...
2017-10-03
Uma batalha de start-ups que só acaba no Web Summit
Uma "batalha" dirigida a start-ups e empreendedores com projectos para as áreas da mobilidade sustentável e serviços...
2017-09-18
Bicicletas partilhadas de Lisboa arrancam esta terça-feira
As Gira, nome escolhido para o sistema de bike-sharing da EMEL, vão estar  oficialmente disponíveis já a partir de...
VER TODAS