2017-11-14

“A urbanização deve ser vista como uma ferramenta para o desenvolvimento”

Filipa Cardoso

Há um novo paradigma no urbanismo, no qual a urbanização deve ser encarada como uma ferramenta para o desenvolvimento e não como um resultado. Quem o diz é Joan Clos, secretário-geral da UN-Habitat, que falou ao final desta manhã no dia de arranque do Smart City Expo World Congress (SCEWC), em Barcelona.

 

“Na teoria do desenvolvimento, a urbanização não tem desempenhado um grande papel. Quais são os instrumentos para o desenvolvimento? Infra-estruturas, energia, comunicações, abertura dos mercados... A urbanização nunca é mencionada, porque, para os especialistas, esta é um resultado do desenvolvimento”, explicou. “Mas a urbanização é uma ferramenta, um multiplicador, um acelerador do desenvolvimento. Temos de cuidar das nossas ferramentas. [E] É uma mudança de paradigma porque, quando existe esta abordagem, o tipo de decisões que se vão tomar é totalmente diferente do tipo de medidas reactivas que ocorre quando estamos apenas a lidar com os problemas do dia-a-dia”.

 

Clos foi um dos keynote speakers do primeiro dia do evento, que reúne, por estes dias, milhares de profissionais do sector das cidades inteligentes em Barcelona. O secretário-geral da UN-Habitat, que foi já mayor da cidade catalã, considera que a urbanização tem ganho protagonismo e elencou os referências para uma melhor abordagem à crescente urbanização mundial, Segundo as projecções da UN-Habitat, 6,5 mil milhões de pessoas viverão em cidades nos próximos 25 anos, mais 3,5 mil milhões do que os números actuais.

 

Para além da ligação entre urbanização e desenvolvimento, Joan Clos sublinhou ainda a necessidade de encarar a urbanização no seu valor estratégico, destacando o seu papel, ainda que indirecto, em fenómenos como a crise do sub-prime e a Primavera Árabe, a relação com temas como a segurança, o terrorismo e os fluxos migratórios, e o seu impacto no desafio das alterações climáticas. Por todos estes motivos, diz o especialista, a urbanização é hoje ”um tema quente” ao qual se deve prestar atenção.

 

“As razões pelas quais devemos pensar na qualidade da urbanização estão, claro, relacionadas com melhores condições para as pessoas, mas há questões mais urgentes a abordar e que estão relacionadas com estes pontos estratégicos”, afirmou Clos.

 

“Empower cities. Empower people” é o lema que dá mote à sétima edição do SCEWC, que se prolonga até dia 16 na Catalunha. Segundo a organização, esta é a maior edição de sempre, contando com 675 expositores e 420 oradores.

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017-10-18
“As pessoas resistem à mudança, mas querem um sítio melhor para viver”
Conhecido por ser um activista urbano, Jason Roberts é frequentemente visto a montar esplanadas e floreiras ou a...
2017-10-25
Cidades Seguras, Economia Circular e Mobilidade no SCEWC2017
De 14 a 16 de Novembro, Barcelona recebe o 7º Smart City Expo World Congress (SCEWC). O evento é um dos mais...
2017-10-11
As cidades inteligentes precisam de música?
As Cidades Inteligentes com Música criam oportunidades económicas através da música, atraem uma força de trabalho...
2017-09-11
O que significa planear uma cidade para as pessoas?
O planeamento de cidades não é nada de novo. Há 7000 anos que vivemos juntos em centros urbanos e o planeamento tem...
VER TODAS