Quer para construirmos a inteligência urbana que assegure a eficiência na utilização dos recursos em cidades mais sustentáveis e inclusivas, quer para alavancarmos o empreendedorismo e as start-ups de natureza tecnológica, existe um desafio incontornável que temos de vencer!

Esse desafio são os Dados Abertos - dados que podem ser usados, modificados e partilhados por qualquer um com qualquer propósito. Mais, as iniciativas de dados abertos têm vindo a ser reconhecidas cada vez mais como elementos definidores das cidades inteligentes e, como tal, podem ser considerados conceptualmente como uma componente estrutural de qualquer cidade inteligente.

Os dados abertos, especialmente os da administração (conjunto do governo e da administração pública, direta e indireta, central e local), são um recurso extraordinário e ainda largamente inexplorado. Sendo verdade que inúmeras organizações e indivíduos recolhem grandes quantidades de dados, a administração tem aqui um papel particularmente significativo, não apenas pela quantidade e relevância dos dados que cria, recolhe e mantém, mas especialmente porque esses dados são, por definição, públicos, uma vez que foram resultado da atividade da administração e, como tal, deveriam estar disponíveis como dados abertos.

Pela sua relevância e impacto, vale a pena referir o lançamento pelo Presidente Barack Obama, em Setembro de 2015, da iniciativa "Cidades Inteligentes"para ajudar as comunidades a enfrentar os desafios locais e melhorar os serviços da cidade, e onde os dados abertos são um dos fatores críticos para o seu sucesso. Efetivamente, um dos objetivos desta iniciativa é construir uma infraestrutura que continuamente aumente a recolha, agregação e a utilização de dados para aumentar a qualidade de vida dos cidadãos – aproveitando a crescente revolução de dados, sensores low-cost e as parcerias de investigação, e fazendo-o de forma segura para proteger a privacidade dos cidadãos.
 

Continue a ler este texto na edição #10 da Smart Cities, adquira a sua aqui.

 

Nova IMS faz parte da comissão organizadora da conferência internacional ZOOM Smart Cities, a ter lugar nos dias 18 e 19 de Maio, em Lisboa. O evento, co-organizado pela revista Smart Cities, Conteúdo Chave, BAC e Nova IMS, coloca Portugal na agenda internacional das cidades inteligentes.