Seja para tirar selfies, seja para pesquisar transportes, consultar notícias ou a programação cultural de cada cidade, os ecrãs interactivos da empresa viseense Tomi, presentes em perto de 100 cidades por todo o mundo, são agora mais inclusivos. O projecto Tomi For All, apresentado pela empresa portuguesa, promete tornar os dispositivos acessíveis a pessoas portadoras de deficiências físicas ou cognitivas.

Pessoas surdas, com mobilidade reduzida, invisuais, crianças e pessoas de baixa estatura - a Tomi, empresa fundada em Viseu, quer tornar a experiência de utilização dos seus ecrãs informativos mais inclusiva, através de um projecto que pretende assegurar a possibilidade de utilização dos seus serviços a pessoas portadoras de deficiências várias, assim como a pessoas de baixa estatura.

O projecto Tomi For All representa, segundo comunicado da empresa, “uma experiência mais autónoma” para os utilizadores, garantindo a sua utilização por parte de “todos”, “independentemente das suas necessidades físicas ou cognitivas”.

Para os cidadãos com mobilidade reduzida ou baixa estatura, a solução de ecrãs para cidades inteligentes passa agora a disponibilizar um “modo de acessibilidade”, através do reposicionamento da área interactiva dos ecrãs, possibilitando assim o seu acesso, a título de exemplo, a pessoas que se desloquem em cadeira de rodas.

A possibilidade de alterar o contraste dos ecrãs ou aumentar o tamanho da letra, facilitando a leitura a pessoas com problemas de visão, assim como a leitura em voz alta dos conteúdos presentes no ecrã, são algumas das novidades que o projecto Tomi For All traz. Adicionalmente, o projecto contempla a adição de tutoriais e vídeos interactivos - também em linguagem gestual - auxiliares da utilização dos dispositivos que se encontram espalhados pelas ruas de cerca de 100 cidades em Portugal, no Brasil e, desde o Verão de 2018, no Chile.