O projecto europeu URBiNAT quer activar as comunidades locais da cidade do Porto para a criação de “corredores saudáveis” e que tirem partido da natureza. Arrancou no passado dia 12, na Praça da Corujeira, na freguesia portuense de Campanhã, e tem como objectivo a promoção da coesão social através da regeneração inovadora do espaço público.

Construir vias pedestres no espaço público, atravessando bairros municipais e promovendo a sua integração na estrutura urbana é este o objectivo do projecto europeu URBiNAT, que arrancou este mês e que junta cidades de todo o mundo: sete  europeias, uma iraniana e outra chinesa. Para além do Porto, integram a iniciativa financiada pelo programa Horizonte 2020 da União Europeia (UE) as cidades de Sofia (Bulgária), Nantes (França), Bruxelas (Bélgica), Høje-Taastrup (Dinamarca), Nova Gorica (Eslovénia), Siena (Itália) e, fora da Europa, Khorramabad (Irão) e Shenyang (China).

A decorrer até 2023, o URBiNAT - Urban Innovative and Inclusive Nature teve início, no Porto, no passado dia 12, “a criar corredores saudáveis em Campanhã, envolvendo de forma divertida e em contexto de “laboratório vivo” os moradores no nascimento de uma cidade mais inclusiva e ligada com a natureza”, anunciou a câmara municipal do Porto (CMP) em notícia publicada no seu sítio web.

Os “corredores saudáveis” a criar vão nascer a partir da construção de soluções naturais, criadas através da relação dos cidadãos com factores como a energia, água, alimentação, natureza, mobilidade, mudança de comportamentos, democracia digital, coesão social, participação cívica e economia solidária. A “co-construção” e a “co-implementação” são metodologias presentes no projecto, que junta o município do Porto, a empresa municipal Domus Social, o Centro de Investigação de Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO), o atelier de design GUDA e o Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra. Estas entidades vão capacitar a população local para integrar o processo de criação dos corredores.

No dia do lançamento, a Praça da Corujeira recebeu um evento aberto a toda a população que pretendeu participar na co-criação dos corredores para a zona oriental da cidade. No final, o objectivo do projecto é possibilitar a replicação, noutras zonas urbanas, dos conhecimentos produzidos nas cidades participantes.