A UP - Upcoming Energies vai arrancar no início de 2020 para incubar e acelerar a criação de soluções inovadoras nos eixos da transição energética, mobilidade, digital e economia circular. Com sede em Lisboa, o projecto da energética portuguesa pretende abrir as suas portas ao “ecossistema mundial de inovação”.

A Galp anunciou na passada terça-feira a criação de uma plataforma de aceleração destinada a acolher projectos inovadores que promovam soluções de baixo carbono. O centro de inovação, com início de actividade marcado para Janeiro, vai focar-se na procura de soluções inovadoras de baixas emissões de poluentes centradas em quatro eixos: transição energética, mobilidade, digital e economia circular.

Descrita pela empresa do sector energético como uma “plataforma colaborativa”, a UP tem como objectivo acelerar a transição energética, abrindo a “porta da Galp ao ecossistema mundial de inovação”, pode ler-se em comunicado de imprensa. A UP- Upcoming Energies funcionará “num regime aberto à comunidade nacional e internacional de start-ups e scale-ups”, informa a empresa.

O anúncio da criação da aceleradora foi feito no dia 17, pela administradora da energética portuguesa, Susana Quintana Plaza, durante a sessão de abertura do EIC Corporte Day da Galp, evento que juntou a empresa ao Conselho Europeu de Inovação e reuniu, em Lisboa, 12 start-ups e scale-ups europeias na apresentação de projectos “que possam integrar o roadmap da Galp para modelos de negócio de baixo carbono”.

A empresa lança, assim, o desafio: “procuramos parceiros que tenham ideias ou projectos inovadores e disruptivos”, ajudando “a Galp a posicionar-se como um player de referência na resposta aos desafios que a sociedade e a indústria energética enfrentam”, afirmou a administradora.