Já é conhecido o nome do projecto vencedor do concurso Ocean’s Calling, promovido pela Sociedade Ponto Verde (SPV): o Seaclic propõe uma tecnologia de produção de embalagens para produtos alimentares muito sensíveis, como o peixe ou o marisco, que seja uma alternativa eficiente à embalagem de EPS (esferovite) tradicional e ajude, assim, a reduzir a quantidade de plásticos no oceano.

O Seaclic, desenvolvido pela Storopack, vai, assim, receber um prémio no valor de 25 mil euros atribuído pela SPV como forma de “estimular na cadeia de valor das embalagens, soluções alternativas que evitem o aparecimento de esferovite no meio marinho”, explica a entidade.

As embalagens Seaclic destinam-se a produtos alimentares frescos, como o peixe, e dispõem de um mecanismo de fecho que não exige o uso de cintas adicionais ou adesivos, o que reduz o uso de recursos e evita o desperdício. Para além disso, são feitas de um material de base ecológica e biodegradável. A Storopack disponibiliza estas embalagens em duas versões: a Seaclic Box Bio Based, feita com um plástico novo orgânico e compostável; e a Seaclic Box Ccycled, produzida com o material da BASF Styropor® Ccycled™ (resultante da reciclagem de plásticos contaminados e mistos).

O anúncio do vencedor do Ocean's Calling teve lugar no Dia Mundial dos Oceanos, que se celebrou a 08 de Junho, alinhando a iniciativa da SPV com o tema escolhido este ano para a efeméride: “Together We Can Protect Our Home – Juntos conseguimos proteger a nossa casa”.

Para além do Seaclic, outros oito projectos chegaram à fase final do concurso da SPV, que decorreu entre Outubro de 2019 e Fevereiro de 2020. O Ocean’s Calling inseriu-se no projecto europeu OCEANWISE, co-financiado pelo Interreg Atlantic Area e coordenado pela Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM).

A iniciativa, que termina no final deste ano, conta com um total de 13 parceiros de 5 países distintos (Portugal, Irlanda, França, Espanha e Reino Unido) e tem como missão elaborar recomendações para políticas públicas e gerar exemplos de boas práticas relacionadas com o uso, produção, reciclagem e captação do EPS/XPS após a sua utilização, através da aplicação dos princípios de eficiência de recursos métodos participativos e princípios de economia circular.