Inserida na programação do festival MIMO, em Amarante, a iniciativa Mimo a Minha Cidade trouxe ilustrações interactivas de três artistas às montras de mais de 50 lojas do centro histórico da cidade do distrito do Porto. Apesar de ter contado com menos montras do que na edição anterior, o balanço da iniciativa, que ainda decorre, é “muito positivo”, disse à Smart Cities a gestora da iniciativa, Sara Leite.

Joana Torgal, Margarida José e Beatriz Azevedo foram as três artistas responsáveis, este ano, por ilustrar as montras do comércio local de Amarante, com o objectivo de revitalizar as ruas comerciais da cidade, numa iniciativa que tirou partido do fluxo de visitantes que a cidade regista durante o festival MIMO, que decorreu de 26 a 28 de Julho. Sob o tema “Procura, Ouve e Descobre a Música”, a acção promovida pelo projecto RUA - Revitalização Urbana de Amarante incentivou a interacção dos transeuntes com as montras, através da integração de códigos QR (legíveis por smartphones) nas ilustrações que as decoram.

“Cada uma [das artistas] ficou responsável por um momento diferente”, contou à Smart Cities a responsável pelo projecto RUA, Sara Leite. Em forma de “roteiro ilustrado”, a iniciativa convidou a percorrer a principal artéria comercial da cidade de Amarante através de três zonas de intervenção artística diferentes, tendo como temática “Músicas do Mundo”.

Todas as intervenções artísticas fizeram, nesta edição, uso de códigos QR para promover a interacção e a participação das pessoas que passavam na rua. O trabalho da artista Joana Torgal “teve um conceito em que era possível procurar a música”, tendo desenvolvido “vários personagens”, explicou Sara Leite. “Em cada” loja participante, os visitantes do roteiro foram convidados a procurar “onde estava” a personagem de cada montra numa imagem que mostrava várias figuras, ao estilo do jogo Onde está o Wally, consultável através do código QR - um código visual que redirecciona para determinado conteúdo digital (neste caso, uma ilustração).

Por sua vez, os códigos QR encontrados nas montras ilustradas pela artista Margarida José levaram os transeuntes a ouvir músicas de vários estilos musicais, enquanto as ilustrações da artista Beatriz Azevedo, com desenhos alusivos a “um instrumento e a vários elementos característicos da cultura de um país”, convidando-os a descobrir o país de origem dos instrumentos a partir das pistas dadas.

Face à edição anterior, o menor número de participantes “não diminuiu a qualidade da acção”, garante a gestora do projecto RUA. Apesar de não dispor ainda de dados – uma vez que a iniciativa está a decorrer –, o balanço que Sara Leite faz do Mimo a Minha Cidade é “bastante positivo”, já que acaba por devolver “dinâmica à cidade”. “Os lojistas disseram que paravam muitas pessoas e interagiam”.

Esta é uma iniciativa “auto-sustentável, paga-se a ela própria”, apresentando, assim, segundo a gestora do projecto municipal, potencial para “ser escalada” e replicada.

O RUA, gerido por Sara Leite, é um projecto criado pela câmara municipal de Amarante, através da InvestAmarante, pela Associação Empresarial de Amarante, e pelo Aventura Marão Clube, através da Casa da Juventude de Amarante, com o propósito de regenerar e devolver vida ao centro da cidade

 

 

Notícia rectificada às 00h50 de 06 de Setembro 2019.