Lousada é um município densamente povoado e que se situa numa área mais rural de Portugal. No entanto, apesar das suas características rurais, os residentes estão pouco sensibilizados para a importância da natureza. A cidade enfrenta inúmeros desafios ambientais, tais como poluição de águas, incêndios florestais, presença de espécies de plantas invasoras, degradação dos habitats e da paisagem e perda de biodiversidade.

De modo a combater estes problemas, desde 2007, a câmara municipal de Lousada tem vindo a adoptar uma estratégia para a sustentabilidade assente em vários eixos: investigação, educação ambiental, envolvimento social e infra-estrutura. Através deste trabalho, pretende-se promover práticas ambientais, inspirar e apoiar formas alternativas de criar áreas de conservação, gerar oportunidades de emprego e recuperar a ligação dos cidadãos locais à paisagem rural. Até à data, a cidade tem registado resultados significativos, incluindo a plantação de 40 mil árvores autóctones com o apoio de 4500 voluntários, a recuperação de mais de 20 hectares de solo degradado, a criação de mais 20 charcos de vida selvagem e um aumento de mais de 500 toneladas/ano na quantidade de resíduos encaminhados para reciclagem.

Como reconhecimento do seu trabalho, a cidade recebeu em 2019 o Transformative Action Award, um prémio europeu de sustentabilidade urbana atribuído a cidades, regiões ou a organizações da sociedade civil que recorrem aos princípios da Declaração Basca para transformar as suas sociedades.

Seis meses depois da atribuição do prémio, o município de Lousada conta, em entrevista, o que significou a distinção para a cidade, que planos para a sustentabilidade estão em carteira para o futuro e como os dez mil euros do prémio Transformative Action Award foram aplicados para impulsionar o esforço para a sustentabilidade da cidade.

O que significou este prémio para o município de Lousada? Qual foi a reacção dos cidadãos e dos stakeholders ao facto de a cidade ter vencido a distinção?

Município de Lousada: Este prémio foi de grande importância para a construção de confiança no nosso trabalho e no aumento da sua credibilidade. Os stakeholders ficaram orgulhosos de ser uma parte activa na mudança e os cidadãos compreenderam melhor as nossas medidas e métodos ambientais. No geral, todos ficaram felizes, orgulhosos e motivados para continuar a adoptar boas práticas ambientais. Alguns membros do público não estavam cientes de que o conjunto de projectos que estão a ser implementados em Lousada é excepcional e raro, pelo menos, em Portugal, quando combinados desta forma tão integradora. Para além disso, o prémio foi também determinante no aumento da sensibilização para a transição da cidade para uma governança verde.

Quais são os planos futuros da cidade para a sustentabilidade? Em que medida foram afectados pela pandemia de covid-19?

Lousada declarou como o Ano Municipal para a Acção Climática e muitos projectos e iniciativas foram cuidadosamente planeados para assinalar a ocasião. Com a pandemia, alguns foram adiados, enquanto outros foram adaptados e estão a acontecer digitalmente. Por exemplo, BioSenior é o nosso novo programa para o envelhecimento activo através de voluntariado ambiental. Uma vez que não podemos estar fisicamente com os seniores, criámos conteúdo informativo e desafios para “mentes activas” no âmbito da biodiversidade, que foram enviados aos destinatários pelo correio tradicional. Projectos que estão a decorrer, como a BioEscola, passaram para plataformas on-line, como o Youtube. Este Ano Municipal inclui também a abertura de novos espaços de literacia ambiental e muitos eventos de cidadania activa, cuja implementação está neste momento em análise. Paralelamente, o trabalho de secretária continua. Estamos a trabalhar nos sistemas de mobilidade e energia sustentáveis, na optimização dos processos de gestão de resíduos e continuamos a candidatar-nos a financiamento para trabalho futuro.

A Declaração Basca apoia cidades na implementação dos Objectivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS). O que Lousada está a fazer para alcançar esses objectivos?

As nossas iniciativas permitem-nos abordar 14 dos 17 ODS. O programa de trabalho do Ano Municipal define os nossos ODS prioritários e o conjunto de metas para serem melhoradas em cada iniciativa. Acção climática (ODS 13), vida selvagem (ODS 15), comunidades sustentáveis (ODS 11) e educação de qualidade (ODS 4) são aqueles em que estamos mais focados. Porém, com o nosso trabalho, estamos a implementar muitos mais, desde a qualidade da água à saúde pública. Resumindo, ao melhorar o ambiente global e o aprovisionamento de serviços de ecossistema de uma forma pedagógica e inclusiva, acreditamos que o nosso contributo para os ODS é já visível, mas queremos continuar a fazer mais, para que possamos criar um município saudável, justo e sólido para os nossos habitantes e visitantes.

Quais são os desafios de sustentabilidade que Lousada enfrenta e como utilizaram o prémio de dez mil euros para os ultrapassar?

O prémio monetário foi utilizado para abordar estes temas, nomeadamente através do já referido projecto BioSenior, mas também através da colocação de técnicos adicionais no terreno, mapeamento das estruturas ecológicas e usos do solo tradicionais e no diálogo directo com as pessoas, aumentando a sensibilização e explicando a relevância de um esforço conjunto para a conservação da natureza. Esta abordagem implica muito tempo e é dispendiosa, mas está a mostrar-se eficaz.

O que diriam a outras cidades para as encorajar a candidatarem-se à edição deste ano do prémio?

Encorajamos todas as cidades a fazê-lo! Lousada é uma cidade pequena em Portugal, numa região muito povoada e ecologicamente danificada. Antes de começarmos a trabalhar nas questões ambientais, o que foi apenas há cinco anos, não havia qualquer histórico de acção ambiental nesta área. Se fomos capazes de vencer, vocês também o podem fazer, então, porque não tentar? O prémio não visa a “cidade mais verde” da Europa, mas, sim, a cidade que está a fazer o seu melhor para ser mais sustentável. O reconhecimento trazido à nossa região que resultou da atribuição do prémio permitiu-nos desenvolver mais parcerias e iniciativas e aproximou os cidadãos dos seus representantes, partilhando valores comuns e motivação para alcançar uma melhor qualidade de vida para todos.

2020 Transformative Action Award

Se a vitória de Lousada o inspirou ou conhece uma cidade, região ou organização da sociedade civil que, na sua opinião, merece ser reconhecida como líder na transformação urbana sustentável na Europa (assim como os dez mil euros para arrancar o próximo projecto de sustentabilidade), incentive-as a candidatarem-se à edição de 2020 do Transformative Action Award.

Face aos desafios que muitos municípios enfrentam em resultado da pandemia de covid-19 e em reconhecimento das formas como estes usaram medidas de sustentabilidade para se adaptar e responder à crise, este ano, alargamos os critérios de elegibilidade para o prémio. Para saber mais, clique aqui.

O vencedor da edição de 2020 do Transformative Action Award vai ser anunciado durante a Mannheim2020 - The 9th European Conference on Sustainable Cities & Towns, que acontece on-line entre os dias 30 de Setembro e 02 de Outubro e com participação gratuita.

Para mais informações sobre o prémio e submissão de candidaturas até 31 de Julho, visite www.sustainablecities.eu

Fotografias: © Município de Lousada

A publicação deste artigo faz parte de uma parceria entre a Smart Cities e o ICLEI - Local Governments for Sustainability.