A maior competição mundial de tecnologia limpa está uma vez mais à procura de ideias de negócio. O objectivo? Acelerá-las, validando-as e apoiando na sua gestão. As candidaturas da ClimateLaunchpad fecham já este domingo.

À procura de ideias de negócio baseadas em tecnologias limpas, a quinta edição da competição mundial ClimateLaunchpad está a receber candidaturas portuguesas até domingo, 15 de Março. Organizada pelo Climate-KIC - a comunidade europeia de inovação que conta com o apoio do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) - o concurso global está a receber ideias com impacto ambiental positivo em áreas como as energias renováveis, eficiência energética, agricultura, água, transportes e tecnologia industrial. Os projectos seleccionados “vão receber apoio na gestão e validação da ideia de negócio, preparação para pitch e acesso à rede internacional de contactos do ClimateLaunchpad”, lê-se em comunicado da UPTEC - Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, que é, em parceria com a LIPOR – Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, promotora do concurso em Portugal.

Depois de seleccionados, os projectos participantes de cada país participam em bootcamps, entre os meses de Março e Maio, onde receberão apoio ao desenvolvimento e à gestão, e disputam, depois, as finais nacionais, que devem decorrer entre Junho e Agosto. A final global, que contará com os projectos vencedores em cada país participante, decorrerá no final de Setembro.

Os vencedores da competição global terão direito a prémios de “até 17 mil euros” e conquistam acesso à aceleradora da comunidade Climate-KIC. O primeiro classificado receberá um prémio monetário de 10 mil euros, enquanto que o segundo e terceiro classificados recebem, respectivamente, 5 mil euros e 2500 euros.

A LIPOR anunciou ainda que irá proceder à selecção de algumas das ideias presentes no concurso português do ClimateLaunchpad, que assim terão acesso a “bolsas para a participação na Escola de Startups da UPTEC”, que permitirá usufruir de um programa de aceleração com duração de três meses para “ajudar os empreendedores a tornar uma ideia numa empresa”.

Em 2018, o vencedor da competição internacional foi o projecto nacional ECO2Blocks, responsável pelo desenvolvimento e produção de materiais de construção “totalmente recicláveis”, com “um ciclo de produção 10 vezes mais rápido e com custos 50% inferiores a materiais tradicionais”.

Na edição de 2019 da competição internacional, participaram mais de 900 equipas de 53 países.