O grande vencedor da edição de 2019 do programa de aceleração Cleantech Camp é o ECO2Blocks, um projecto português que produz materiais de construção totalmente recicláveis e que promete custos “50% inferiores” relativamente aos materiais tradicionais. O anúncio do projecto vencedor, que conquista 20 mil euros, foi feito em Barcelona, no passado dia 20 de Junho, na sede da Barcelona Activa, agência de empreendedorismo da cidade catalã. O pódio do programa contou ainda com outro projecto nacional.

Dos 14 projectos que concorreram à quarta edição do programa de aceleração de start-ups na área da energia sustentável, da InnoEnergy, dois dos que chegaram ao pódio são portugueses. A ECO2Blocks conquistou o primeiro prémio, no valor de 20 mil euros, e o terceiro lugar foi para o já premiado projecto nacional Pavnext, responsável pelo desenvolvimento de pavimentos capazes de produzir energia limpa e de reduzir as velocidades praticadas pelos veículos que os atravessam. O segundo lugar, posição que valia 10 mil euros, foi conquistado pelo VEnvirotech, um projecto espanhol que utiliza resíduos orgânicos para produzir bioplásticos biodegradáveis. O terceiro classificado recebeu 5 mil euros.

O ECO2Blocks, grande vencedor do Cleantech Camp 2019, conquista 20 mil euros e convenceu ao desenvolver e produzir materiais de construção “totalmente recicláveis” e com “um ciclo de produção 10 vezes mais rápido e com custos 50% inferiores a materiais tradicionais” - lê-se em nota de imprensa da organização do programa de aceleração.

No decorrer da edição deste ano, e como novidade, cada projecto do programa de aceleração apresentou um piloto. No final, as entidades promotoras do programa, seleccionaram vários destes projectos piloto para receber cofinanciamento. Foram seleccionados, entre outros, um projecto que prevê a instalação de painéis solares em veículos automóveis ou uma tecnologia para prever falhas e efectuar diagnósticos em turbinas eólicas.

A edição deste ano do Cleantech Camp, promovido pela InnoEnergy, Naturgy, Enagas e Barcelona Activa, com o contributo, também, do centro de pesquisa português CEiiA, contou, desde Abril, com a participação de 14 projectos - escolhidos entre 70 candidatos iniciais - oriundos de Portugal, Espanha, Hungria, Roménia, Holanda e França. Estes 14 realizaram, ao longo do programa, formações que decorreram nas instalações do CEiiA, no Porto, mas também nas instalações da Barcelona Activa, em Barcelona, e em várias outras instalações de parceiros do programa, em Madrid. Foram, no total, quatro semanas de formação e workshops que contaram com a presença de vários especialistas.