O Fórum Económico Mundial (FEM) inaugurou, no passado dia 2 de Julho, o Centro para a Quarta Revolução Industrial do Japão. É o primeiro a abrir fora dos Estados Unidos da América (EUA), sendo também o primeiro de uma rede global de centros que o FEM pretende abrir. Seguem-se Índia e China, ainda durante este ano.

Situado na cidade capital do Japão - Tóquio -, o novo centro resulta de uma parceria entre as empresas Hitachi, Horiba, Mitsubishi Chemical Holdings, Salesforce, Sompo Holdings e Suntory Holdings e promete juntar sociedade civil, start-ups, instituições de ensino universitário e organizações internacionais com o propósito de, como é descrito em nota de imprensa enviada pelo FEM, “definir a trajectória das tecnologias emergentes”.

A sua missão, lê-se na mesma nota, é a de “conduzir novas abordagens políticas que maximizem os benefícios e minimizem os riscos colocados pela ciência e tecnologia”. Este é apenas o primeiro centro do género a abrir portas fora dos EUA, sendo que os próximos deverão aparecer ainda no decorrer deste ano na Índia e na China.

O novo centro deverá focar-se nos campos da mobilidade autónoma, política de dados e medicina de precisão, campos que têm vindo a ser desenvolvidos na sede actual da futura rede de centros, situada na cidade norte-americana de São Francisco.

Em Tóquio, o trabalho irá girar em torno de vários projectos com o objectivo de desenvolver políticas e padrões que devem, depois, ser colocados à prova em testes-piloto a implementar pelo governo japonês e por empresas de todo o mundo. A administração do mais recente centro encontra-se repartida entre ministério da economia, das trocas e da indústria do Japão e Iniciativa Ásia Pacífico (API).

A lista completa de membros e parceiros do Centro para a Quarta Revolução Industrial do Fórum Económico Mundial pode ser consultada aqui.