Braga quer ver nascer uma indústria de desenvolvimento de soluções para cidades inteligentes. A cidade “não quer adaptar-se a mudanças”. Procura, antes, “ser o motor de progresso”. Foi neste sentido que celebrou, no passado dia 16 de Novembro, um protocolo de colaboração com a cidade sul-coreana de Daegu na área das smart cities.

A parceria, que prevê um acordo de investigação e implementação de soluções para cidades inteligentes, surge da Innovate.City - uma iniciativa da Comissão Europeia que agrega, em rede, laboratórios europeus de definição de políticas urbanas (policy labs). A assinatura do protocolo realizou-se em Braga, no passado dia 16 de Novembro, e trouxe a Portugal uma comitiva sul-coreana, composta por dirigentes da KAIA - a agência sul-coreana para o desenvolvimento das infra-estruturas tecnológicas - e um delegado da parceria europeia de inovação em cidades e comunidades inteligentes (EIP-SCC).

Diferentes, mas “complementares”

Daegu é uma cidade diferente de Braga. Tem perto de 2,5 milhões de habitantes contra, aproximadamente, 137 mil residentes de Braga. Para o presidente da câmara municipal de Braga, Ricardo Rio, as diferenças entre as duas cidades representam oportunidades para a inovação. Nesta parceria a aposta é na “complementaridade”, conta à Smart Cities. O autarca considera que esta “é a génese do sucesso das soluções” e vê na sua cidade, “pela sua dimensão e localização na Europa, um perfeito laboratório para a qualidade de vida apoiada nas mais avançadas tecnologias”.

A cidade de Braga vai juntar várias das suas forças nesta parceria. O protocolo “já começou” e as áreas de colaboração já estão identificadas, mas encontram-se, ainda, “em estudo prévio”. O que é certo, para já, é que a aposta do município concentra esforços na criação de uma indústria de desenvolvimento de soluções para cidades inteligentes. O Laboratório Ibérico de Nanotecnologia (INL), a Universidade do Minho, a Startup Braga, ou a InvestBraga - a agência municipal para a dinamização económica da cidade - serão alguns dos parceiros chave na colaboração bracarense nesta parceria.

 

Carros autónomos e tecnologia para vestir

O sector da condução autónoma vai ser uma das áreas de desenvolvimento a explorar na parceria, tirando partido da experiência que a cidade de Braga leva na área. O objectivo é dar apoio aos projectos que a cidade de Daegu tem em desenvolvimento na área da mobilidade automóvel autónoma. A título de exemplo, o Centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch, situado na cidade, tem vindo a desenvolver tecnologias que possibilitam a condução autónoma. Ricardo Rio acredita que, “quando as pessoas deixarem de conduzir os seus automóveis”, tal possa dever-se “a tecnologia criada e desenvolvida em Braga”.

Também a inovação no sector têxtil deverá beneficiar do protocolo celebrado. A importância desta indústria é histórica e estratégica para as duas cidades e, no âmbito da parceria, o desenvolvimento de wearables (vestuário com tecnologia incorporada) deverá ser um dos alvos de maior atenção.

No âmbito da implementação do protocolo, tanto Daegu, como Braga vão contar com um policy lab, onde poderão ser testadas e experimentadas, em “testbeds”, soluções inteligentes.

Os responsáveis pela monitorização do protocolo serão a iniciativa comunitária Innovate.City e a KAIA. Em declarações prestadas à Smart Cities, o presidente da câmara municipal de Braga acredita que esta colaboração internacional “vai melhorar a vida dos bracarenses e levar essas melhorias de Braga para o mundo”.