Os cidadãos votaram e a câmara municipal fez: a cidade algarvia inaugurou, na semana passada, um sistema de bicicletas eléctricas públicas inteligentes. A iniciativa foi uma das escolhas dos cidadãos, no âmbito do Orçamento Participativo de 2014 do município e deverá entrar em funcionamento em Janeiro de 2017, inicialmente, para residentes e alargando-se, mais tarde, a quem visita a cidade.

Distribuídas por três estações (Carvoeiro, Ferragudo e Senhora da Rocha) e com 30 docas de carregamento automático, as 20 bicicletas eléctricas de Lagoa dispõem de GPS, comunicações 3G em tempo real, acelerómetros, giroscópios, sensores de cadência, de velocidade e de binário, de forma a detectar exactamente quanta força está a ser aplicada nos pedais. Bicicletas e estações vão também estar protegidas com mecanismos anti-roubo e anti-vandalismo.

“Este foi um sistema pensado e criado de raiz para ser um sistema pedelec (bicicletas electricamente assistidas), com smart bikes no seu sentido totalmente real”, explica a Bikeemotion, spin-off da Ubiwhere, Micro I/O e Ponto. C, e empresa responsável por disponibilizar a tecnologia utilizada pela Bewegen para a implementação deste sistema. Por sua vez, a operação no dia-a-dia – por outras palavras, o aluguer, apoio a clientes, manutenção e limpeza dos equipamentos – estará ao cargo da portuguesa Wegoshare.

Segundo a Ubiwhere, este é “o primeiro sistema de smart bikes eléctricas em Portugal”, dado as suas características tecnológicas que o diferem dos restantes. “Vão aparecendo alguns sistemas que têm alguns componentes tecnológicos incorporados nas bicicletas, como GPS ou leitores de cartões RFID, mas estão longe de ser um pack tecnológico completo como é o sistema Bewegen", esclarece.

A utilização das smart bikes vai ser feita com um cartão de membro (tipo passe) ou através de uma aplicação móvel para iOS e Android. Os residentes poderão optar por subscrições semestrais ou anuais, desde nove euros mensais, que dão acesso ilimitado à rede. Turistas ou visitantes só vão poder usar as bicicletas a partir de Março do próximo ano, esperando-se, assim, que o sistema esteja disponível durante a Páscoa. Passes diários a mensais, com valores a começar nos 18 euros por dia, e alugueres horários (desde cinco euros/hora) compõem a oferta para os não-residentes.

Implementar uma rede de bicicletas eléctricas partilhadas foi uma das reivindicações dos cidadãos. A ideia recebeu luz verde no Orçamento Participativo 2014 de Lagoa, contando com 65 mil euros para a aquisição do equipamento. Para além disso, a Wegoshare assume um investimento directo de 60 mil euros. Operação, sustentabilidade e futuras expansões do sistema terão como fonte de financiamento publicidade e patrocínios, mas também as receitas geradas com o aluguer das bicicletas.