Através do apoio prestado pela Fundação Schwab para o Empreendedorismo Social, o empreendedorismo social terá melhorado a vida de 622 milhões de pessoas em 190 países, com impactos ao nível da redução das emissões de gases com efeito de estufa, mas também através de melhorias na educação, no acesso à energia ou a cuidados de saúde. As conclusões são de um relatório da própria fundação, liderada por Hilde Schwab e Klaus Schwab, criador do Fórum Económico Mundial, publicado antes da reunião anual de Davos.

No decorrer das últimas duas décadas, o apoio que a Fundação Schwab para o Empreendedorismo Social presta a iniciativas ligadas ao empreendedorismo social terá contribuído para evitar a emissão de 192 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa, para melhorar a educação prestada a mais de 226 milhões de crianças e jovens e para melhorar o acesso a energia para mais de 100 milhões de pessoas. A estes números, tornados públicos no relatório Duas Décadas de Impacto, soma-se a promoção da inclusão social, alcançando mais de 25 milhões de pessoas, e a distribuição de mais de seis mil milhões de euros a projectos e produtos com o patrocínio da fundação Schwab. O relatório foi publicado no passado dia 17, em antecipação do encontro anual do Fórum Económico Mundial, realizado em Davos, na Suíça, entre os dias 21 e 24 deste mês.

Em parceria com a Fundação Schwab, iniciativas de empreendedorismo social de todo o mundo terão melhorado a vida de mais de 622 milhões de pessoas - esta é a conclusão principal do relatório que mostra “como os empreendedores sociais podem alcançar impacto, mudar os sistemas em que operam e contribuir para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável” (ODS) definidos pela ONU, lê-se em comunicado da organização.

Os mais de seis mil milhões de euros distribuídos pela comunidade de empreendedores sociais da fundação terão permitido melhorar as condições de acesso a cuidados de saúde, assim como proporcionar soluções de “energia limpa”, melhorar resultados escolares e evitar a emissão de mais de 192 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa, “o equivalente a retirar 40,7 milhões de veículos de passageiros das estradas por um ano”. A comunidade com patrocínio da fundação opera em mais de 190 países, sendo que os dez países com maiores níveis de actividade por parte da comunidade empreendedora, exceptuando os Estados Unidos da América (EUA), situam-se em mercados “de baixos a médios rendimentos”, incluindo Brasil, Etiópia, Quénia, Uganda e Índia.

Do recém publicado relatório constam ainda alguns exemplos de projectos com o patrocínio da fundação Schwab que se destacaram pelo impacto alcançado, casos do d.light, que terá proporcionado acesso a produtos de energia solar a 100 milhões de pessoas nos EUA e Quénia, e da Mothers2Mothers, organização que terá impactado 11 milhões de pessoas e eliminado “virtualmente”, entre as clientes, a transmissão do HIV de mãe para criança, tendo igualmente sido responsável pela criação de mais de 10 mil empregos para mulheres com HIV.

A Fundação Schwab para o Empreendedorismo Social foi criada há 20 anos, servindo de plataforma de apoio para pessoas a desenvolver modelos de negócio orientados para o desenvolvimento e inclusão sociais, marcando presença nos eventos do Fórum Económico Mundial.