Entre 10 e 14 de Setembro, são cinco os dias de formação para a sustentabilidade, numa iniciativa que resulta de uma parceria entre o Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa, a Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável e o BCSD Portugal - Conselho Empresarial para o Desenvolvimento sustentável. Este ano, a II Escola de Verão para a Sustentabilidade está orientada para os temas da comunicação da sustentabilidade, mobilidade, cidadania, compras públicas, alimentação e Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

A formação, com lugar nas instalações do ICS, em Lisboa, propõe, entre várias actividades, uma saída de campo à Herdade do Freixo do Meio, no concelho de Montemor-o-Novo, um local que aposta na agroecologia e que produz alimentos de agricultura biológica, num modelo de negócio baseado na sustentabilidade.

No sítio da formação pode ler-se que um dos objectivos propostos é a exploração das “interligações” entre várias disciplinas e sectores, numa tentativa de promoção do “contacto entre diferentes especialistas e interlocutores que representam diferentes quadrantes da sociedade”.

A coordenação da escola de Verão está a cargo de Luísa Schmidt, investigadora no ICS, Susana Fonseca, membro da direcção da ZERO e Mafalda Evangelista, directora do BCSD.

Segundo Luísa Schmidt, a escola vai proporcionar o debate sobre “a transição para modelos de economia mais inteligentes, que garantam políticas de regeneração e de desenvolvimento construtivas”.

O público alvo da formação são quadros técnicos da administração pública, de empresas e de associações empresariais, bem como colaboradores de organizações não-governamentais ou estudantes universitários. As propinas têm um valor de 350 euros, aos quais acrescem 30 euros de inscrição. Para os membros da comunidade do ICS e redes parceiras, o valor da propina desce para os 125 euros.